Produdos Tradicionais Portugueses
Agricultura e Produção Biológica
Parceria portuguesa para os solos
Sistema de Informação do Regadio
Bolsa Nacional de Terras
Rede Rural Nacional 
Boletim Informativo - Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica e Plano de Ação
Agricultura biológica
Guia de apoio à criação de microempresas
Guia de apoio às explorações agrícolas
Serviço de Aconcelhamento Agrícola e Florestal
Tecnicos em Formação Regulamentada
biblioteca online
Grupo de Projeto do Mira
Estatuto do Jovem Empresário Rural (JER)

 

 

Estatuto da Agricultura Familiar

 

Código de Boas Práticas Agrícolas

gotaPara assegurar a proteção das águas contra a poluição causada ou induzida por nitratos de origem agrícola deve ser aprovado, pelos membros do Governo responsáveis pela área da agricultura e do ambiente, um Código de Boas Práticas Agrícolas (artigo 6º do Decreto-Lei n.º 235/97, de 3 de setembro, na sua atual redação).
O primeiro Código de Boas Práticas Agrícolas foi publicado em 27 de novembro de 1997.
O novo Código de Boas Práticas Agrícolas a aplicar obrigatoriamente nas atuais Zonas Vulneráveis de Portugal Continental foi aprovado e publicado pelo Despacho n.º 1230/2018, de 5 de fevereiro.
De acordo com o número 2 do artigo 6º do Decreto-Lei n.º 235/97, de 3 de setembro, na sua atual redação, o Código de Boas Práticas Agrícolas, deve conter obrigatoriamente as medidas elencadas no ponto A do Anexo III deste diploma legal, podendo incluir as medidas indicadas no ponto B do mesmo anexo.

O novo Código de Boas Práticas Agrícolas contem orientações sobre:

  • Princípios gerais da fertilização racional; Adubos contendo azoto e seu comportamento no solo;
  • Adubos contendo fósforo e seu comportamento no solo; Aplicação de adubos contendo azoto (quantidades, épocas e técnicas);
  • Aplicação de adubos contendo fósforo (quantidades, épocas e técnicas);
  • Aplicação de corretivos orgânicos; Aplicação de fertilizantes em situações especiais, nomeadamente em terrenos declivosos; saturados de água, inundados, gelados ou cobertos de neve e nas proximidades de cursos de água;
  • Aspetos da gestão e utilização do solo relacionados com a dinâmica do azoto e do fósforo;
  • Gestão da rega;
  • Planos de fertilização e registo de fertilizantes utilizados na exploração agrícola; Armazenamento e manuseamento de adubos inorgânicos;
  • Armazenamento e manuseamento de efluentes pecuários.

 As medidas do Código de Boas Práticas Agrícolas e do Programa de Ação foram estabelecidas para impedir e reduzir a poluição das águas por nitratos de origem agrícola, contudo algumas contribuem também para a proteção do solo e para a diminuição da poluição do ar, sendo a sua aplicação importante para a proteção dos recursos naturais e a prática de uma agricultura que se pretende sustentável. 


 

logo agri fam
CAOF
uso eficiente da agua
sistema de  reconhecimento de regantes

 

sir destaque2
Cartas Pery
NREAP
projeto BINGO
protocolo FFP
projetos cofinanciados