Biblioteca Online
Técnicos com Formação Regulamentada
Bolsa Nacional de Terras
Sistema de Informação do Regadio
Estatuto da Agricultura Familiar
Produtos Tradicionais Portugueses
Jovem Empresário Rural
Balcão Único
Formação Profissional
Cartas de Pery
Biblioteca Online
IMG_4099.jpg

Agricultura e Produção Biológica

Biblioteca Online
IMG_4099.jpg

Lista de Técnicos com Formação Regulamentada em Proteção Integrada, Produção Integrada e Modo de Produção Biológico

Técnicos com Formação Regulamentada
IMG_4099.jpg
Bolsa Nacional de Terras
Uma Visão Nacional

Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território português

IMG_4099.jpg
Sistema de Informação do Regadio
Site da responsabilidade da DGADR enquanto Autoridade Nacional do Regadio
IMG_4099.jpg
Estatuto da Agricultura Familiar

Pretende-se reconhecer a especificidade da agricultura familiar, adotando medidas de apoio que criem uma discriminação positiva a seu favor.

IMG_4099.jpg
Produtos Tradicionais Portugueses
Portugal detém um extenso e diversificado leque de produtos alimentares de cariz tradicional
IMG_4099.jpg
Jovem Empresário Rural
Pretende-se potenciar o empreendedorismo no mundo rural, a criação de novas empresas e a fixação de jovens empreendedores nas zonas rurais, contribuindo para a dinamização económica e criação de emprego.
IMG_4099.jpg
Balcão Único
Espaço que reúne um conjunto de serviços que visam facilitar a relação entre a DGADR e o cidadão
IMG_4099.jpg
Formação Profissional
A DGADR é o serviço central do Ministério com atribuições específicas em matéria de formação profissional nas áreas da agricultura, das florestas, do agroalimentar e do desenvolvimento rural.
IMG_4099.jpg
Cartas de Pery

As Cartas Agrícolas dos Finais do Século XIX

IMG_4099.jpg
Biblioteca Online

Espaço que reúne um conjunto de serviços que visam facilitar a relação entre a DGADR e o cidadão

previous arrow
next arrow

Comunicado DGADR

A DGADR informa que, no âmbito das medidas de contenção no contexto atual da pandemia Covid-19,toda a correspondência deve ser enviada em formato digital, sempre que possível.
COVID 19
 
estamoson
Agricultura Familiar
logo gasoleo
Alimente quem o Alimenta

Comunicado DGADR

A DGADR informa que, no âmbito das medidas de contenção no contexto atual da pandemia Covid-19,toda a correspondência deve ser enviada em formato digital.
Dados Abertos
Dados Abertos
Balcão Único
  • Início

 

Q1: Que horários são possíveis nas ações de formação?

R: As ações de formação desenvolvem-se preferencialmente em regime presencial e em horário laboral, estruturadas de acordo com as atividades profissionais dos ativos envolvidos. 
Considera-se formação em horário laboral a formação que decorre entre as 9 horas e as 18 horas dos dias úteis.  Quando a formação é realizada em horário pós-laboral, as sessões decorrem nos dias úteis, entre as 18 horas e as 22 horas e 30 minutos, sendo que nos fins-de-semana e feriados a duração das sessões de formação situa-se entre, 3 horas/dia (mínimo) a 7 horas/dia (máximo).
A formação é realizada em regime misto, quando decorre simultaneamente em horário laboral e pós-laboral.  As práticas de campo e visitas de estudo decorrem em horário diurno, sendo preferencialmente realizadas, se a formação for em pós-laboral, em fins-de-semana e feriados.

Q2: Existem intervalos obrigatórios?
R: A formação deve ser organizada de forma a garantir intervalos de descanso/alimentação dos seus intervenientes (formandos, formadores...).

Q3: Os certificados não emitidos pelo SIGO são válidos?

R: Todos os certificados de formação ou de qualificação devem ser emitidos pelo SIGO, tal como é estipulado pelas Portarias n.º 474/2010, de 08/07 e n.º 199/2011, de 19/05. Para inscrever no SIGO basta aceder ao sítio respetivo, ou ao portal da ANQEP.
De acordo com a legislação existente, os certificados emitidos fora do SIGO poderão ser considerados não válidos para concursos e outros efeitos curriculares e profissionais.

Q4: É necessário que um formador da administração pública que vai dar formação também a funcionários públicos tenha CAP ou CCP?

R: Como formador da administração pública e para formação a realizar para trabalhadores da administração pública, fica isento de apresentar o Certificado de Competências Pedagógicas (CCP), anteriormente designado de CAP".

Q5: Onde estão definidas as taxas relativas à certificação de entidade, à homologação de ação, à emissão de 2ª via de certificado de formação, à bolsa de formadores, etc.?

R: Para saber o valor das taxas, deverá consultar a Portaria n.º 148/2015, de 25 de maio.

Q6: Como é que uma entidade pode ser certificada setorialmente?

R: A informação está disponível no sítio da DGADR.
Neste, encontra a resposta à questão: Como efetuar a certificação setorial da entidade, para que cursos e seus programas, regulamentos específicos e normas orientadoras, quais os destinatários (técnicos, operadores, aplicadores, agricultores e trabalhadores)? Ainda tem disponíveis os formulários para efetuar a candidatura.
As candidaturas de cursos para técnicos e de cursos de "Aplicação de produtos de alto risco", devem ser remetidas à DGADR.
As do curso de "Inspeção de Máquinas e equipamentos de tratamento e proteção das plantas" são apresentadas na DGAV.
As restantes são junto da DRAP na qual se localiza a sede da entidade a certificar.

Q7: Os formulários disponibilizados no sítio da DGADR servem apenas de modelo para os conteúdos, podendo cabeçalhos e rodapés serem adaptados às várias situações? (exemplo: Folhas de sumário e outras –  formação financiada)

R: Os formulários a utilizar na certificação setorial da entidade formadora por área temática/curso, deverão ser os disponibilizados no sítio da DGADR, não se permitindo a introdução de adaptações. No caso dos formulários destinados à homologação da ação, realização de ações e reconhecimento de certificados, e dos modelos relativos a provas de avaliação, atas etc., poderão ser adaptados os cabeçalhos e rodapés, desde que salvaguardados os respetivos conteúdos.

Q8: É possível aceitar para certificação, entidades que não estejam certificadas pela DGERT na área de formação 621?

R: As entidades que se encontram na situação acima referida, têm de apresentar um pedido de certificação setorial com todos os documentos descritos no ponto 6 do artigo 2.º do Despacho nº 8857/2014, de 9 de julho. Nos termos do ponto n.º 7, do artigo 2.º daquele Despacho, apenas estão dispensadas de apresentar os documentos relativos às alíneas a), b) e e) do referido n.º 6, as entidades certificadas pela DGERT de acordo com o artigo 1.º e nos termos do n.º1 do artigo 4.º da Portaria n.º 851/2010, de 6 de setembro, alterada pela Portaria n.º 208/2013, de 26 de junho.

Q9: Estando a entidade certificada pela DGERT para a área 621, tem de obter igualmente a certificação no Ministério da Agricultura Florestas e Desenvolvimento Rural? Quais os documentos a apresentar?

R: Sim. Tem de apresentar os documentos referidos no n.º 6, do artigo 2.º do Despacho n.º 8857/2014, de 9 de julho, com exceção dos indicados nas alíneas a), b) e e).
Os formulários estão disponíveis no sítio da DGADR, como já referido.

Q10: Qual o valor da taxa de certificação e, posteriormente, a taxa de homologação de cada ação de formação?

R: De acordo com o definido na Portaria n.º 148/2015, de 25 de maio, a taxa de certificação é de 165 € e a taxa de homologação de ação de 120 €.

Q11: Uma entidade formadora que tenha sido certificada numa determinada DRAP, terá de repetir essa certificação, caso pretenda realizar ações de formação na área geográfica adstrita a outra DRAP? E os formadores?

R: Não. Uma entidade certificada para uma determinada área temática numa DRAP pode realizar ações em qualquer outra DRAP, devendo apenas apresentar a informação relativa ao local da realização das ações. A certificação efetuada por uma dada entidade certificadora regional (DRAP) é valida para todo o território nacional.
Os formadores são reconhecidos por área e por tipo de curso, podendo realizar ações para as mesmas áreas/curso em qualquer região do país.

Q12: No caso de um pedido de certificação com vários formadores, em que alguns dos formadores propostos não reúnam todos os requisitos definidos, como se procede?

R: Certifica-se a entidade formadora indicando quais os formadores que não foram aceites, desde que os formadores aprovados assegurem a realização dos cursos propostos.

Q13: Quando a entidade apresenta um pedido de certificação em diferentes áreas e para diversos cursos paga por área/curso?

R: Não. A entidade pode pedir a certificação para várias áreas de formação regulamentadas e paga apenas um processo, desde que apresentadas no mesmo pedido/processo.

Q14: Se pedir e pagar apenas uma área de formação e posteriormente pedir outras áreas ou cursos?

R: Paga o alargamento a outras áreas. O alargamento a outros cursos, dentro da área certificada, não é pago.

Q15: Como deve proceder uma entidade formadora para solicitar a homologação de uma ação de formação?

R: Deve remeter à DGADR, quando as ações sejam dirigidas a técnicos, ou à DRAP, no caso de ações dirigidas a agricultores/operadores, uma mera comunicação prévia, acrescida dos documentos referidos no n.º 1, do art.º 3º, do Despacho nº 8857/2014.

Q16: Uma entidade formadora pode dar início à ação de formação sem que a homologação tenha sido deferida?

R: Nos termos do n.º 7, do art.º 3º, do Despacho n.º 8857/2014, de 9 de julho, a entidade formadora, sob sua responsabilidade, pode dar início à ação de formação logo após a realização da mera comunicação prévia (efetuada nos termos do n.º 1, do art.º 3º) e de efetuar o pagamento da taxa aplicável.

Q17: Como deve proceder para fazer parte da Bolsa de Formadores para a formação regulamentada sectorial com base na Portaria nº 354/2013, de 9 de dezembro e no Despacho nº 13300/2014, de 3 de novembro?

R: Deverá submeter o pedido de reconhecimento para inscrição na Bolsa, de acordo com as regras definidas no “Regulamento da Bolsa de Formadores para a Formação Específica Setorial”, devendo utilizar formulários próprios para a apresentação do pedido e anexar todos os comprovativos solicitados. A regulamentação específica da Bolsa e formulários encontram-se disponíveis no sítio da DGADR.

Q18: Como pode ser efetuada a inscrição para a Bolsa de Formadores?

R: A inscrição pode ser efetuada através das páginas da Internet dos organismos gestores, por correio eletrónico ou postal, quando aquela via não esteja disponível, de acordo com as entidades e destinatários. Assim, se o pedido respeitar a formador de técnicos será dirigido à DGADR, se for para agricultores e operadores, será junto da DRAP.

Q19: Quais os requisitos obrigatórios para o reconhecimento de formadores?

R: Constituem requisitos obrigatórios para o reconhecimento de formadores o estabelecido no regulamento específico de cada curso.

Q20: O pedido de inscrição na Bolsa de Formadores carece do pagamento de taxa?

R: Sim. O pagamento será efetuado de acordo com o estabelecido na Portaria n.º 148/2015, de 25 de maio.

A Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) tem por missão contribuir para a execução das políticas nos domínios da regulação da atividade das explorações agrícolas, dos recursos genéticos agrícolas, da qualificação dos agentes rurais e diversificação económica das zonas rurais, da gestão sustentável do território e do regadio, exercendo funções de autoridade nacional do regadio.
Saiba mais
 
 
Ministério da Agricultura
 
WCAG AA
 
Produdos Tradicionais Portugueses
Agricultura e Produção Biológica
Parceria portuguesa para os solos
Sistema de Informação do Regadio
Bolsa Nacional de Terras
Rede Rural Nacional 
Inovação na Agricultura 
Boletim Informativo - Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica e Plano de Ação
Agricultura biológica
Programa Emparcelar para Ordenar
Guia de apoio às explorações agrícolas
Serviço de Aconcelhamento Agrícola e Florestal
Tecnicos em Formação Regulamentada
Cartografia e Informação Geográfica
Grupo de Projeto do Mira
Estatuto do Jovem Empresário Rural (JER)
logo agri fam
CAOF
uso eficiente da agua
sistema de  reconhecimento de regantes
sir destaque2
Cartas Pery
NREAP
projeto BINGO
protocolo FFP
projetos cofinanciados
Estatuto da Agricultura Familiar
Guia de apoio às explorações agrícolas
Guia de apoio às explorações agrícolas
Biblioteca online
Dados Abertos
Alimente quem o alimenta
Consulta dos Dados do Cartão do Gasóleo
SNIS